Golpes baixos femininos

O amor é uma volta, um laço entre dois seres de trocas sinceras, fidelidade espontânea, apoio mútuo, cumplicidade, envolvimento e tantos outros adjetivos e verbos que se unem para dar sentido a uma pequena palavra que carrega o maior sentimento do mundo.

Através do amor compartilhado, temos a oportunidade de crescer em todos os sentidos.

O amor ensina a doar, a ter paciência, tolerar, sofrer juntos, e até a se sentir feliz pelas conquistas do outro.Ensina a dividir e também a somar quando os dois planejam juntos a chegada de um filho. Atos de amor geram filhos e filhos chegam quando os dois planejam. Certo?

Nem sempre!

Muitos casais não planejam, mas a gravidez acontece, sem que tenha sido algo intencional ou proposital da parte da mulher. E quando a gravidez é pensada, planejada e decidida só pela mulher?

O famoso "golpe da barriga" em pleno séc. XXI ainda acontece!

Pode ser um rico, um pobre, um artista famoso, um atleta, um astro do Rock, um cantor sertanejo, ou um homem absolutamente comum. Todos são usados para o mesmo fim, sendo que tudo começou com um ato de traição. Sim, porque se não foi um ato de comum acordo, é uma traição!

Muitos homens passam pela vida sem se recuperar do golpe - "Mulher não presta", é o sinal que lêem na testa de toda mulher que se aproxima.

Mas existe ainda outro golpe que muitas mulheres ainda usam (sempre usando as crianças, é claro) que é o de tentar segurar um marido no casamento através dos filhos. Esse golpe não é baixo... É baixíssimo!

O que não se faz em nome do amor!

Mãe que é mãe protege, preserva e  acolhe um filho. Mãe é que é mãe, procura poupar ou minimizar o sofrimento de um filho na separação ou nos desentendimentos do casal.

Mulheres que brincam, manipulam, chantageiam, pensam que estão tirando alguma vantagem da vida, mas pela Lei de Causa e Efeito não terão proveitos adiante de atos assim... Tão parcos e mesquinhos.